30/05/2024
BTC68.213,0
ETH3.923,76
USDT0,998912
BNB595,21
SOL171,09
USDC1,0
XRP0,537005
DOGE0,171579
BUSD1,004
Melhores
10 melhores plataformas de mídia social Web3 em 2023
30/09/2023

10 melhores plataformas de mídia social Web3 em 2023

30/09/2023
4,8

Descubra o futuro da interação on-line com a nossa seleção das 10 melhores plataformas sociais Web3 que priorizam a descentralização, a propriedade do usuário e a integração de criptomoedas

O que há de errado com a mídia social Web2? 

Na era atual, caracterizada pela digitalização generalizada, a World Wide Web tornou-se um componente integral que penetrou profundamente em todas as facetas de nossas vidas. Quer estejamos fazendo transações bancárias, nos conectando com a família, namorando ou simplesmente consumindo conteúdo, a influência da Web é inegável. Historicamente, grande parte dessa influência surgiu na era da Web2.0 ou da Internet tradicional. 

Foi durante esse período que testemunhamos a ascensão meteórica da mídia social, transformando a maneira como compartilhamos, nos comunicamos e fazemos negócios. Plataformas como Facebook, TikTok, Twitter e Instagram não apenas definiram o cenário da mídia social, mas também o monopolizaram. À medida que essas corporações ganharam destaque, a Web, que antes era livre e de mundo aberto, começou a se assemelhar a uma série de condomínios fechados de propriedade de alguns gigantes corporativos. A consequência? Problemas que vão desde possíveis ameaças à segurança de dados até sutis tendências algorítmicas na apresentação do conteúdo.

A Web3, como a próxima fronteira do mundo digital, promete uma mudança na forma como abordamos as interações on-line. Diferentemente de sua antecessora, a Web3 é descentralizada por design, implantando uma tecnologia inovadora de blockchain. 

Essa evolução para a Web3 também estimulou o crescimento de plataformas de mídia social descentralizadas, abordando muitas preocupações apresentadas por seus antecessores da Web2. Essas novas plataformas priorizam a propriedade dos dados do usuário, a proteção e a liberdade criativa, atendendo às demandas de uma nova geração de nativos digitais.

Neste artigo, vamos nos aprofundar no mundo das plataformas de mídia social da Web3, destacando suas diferenças e apresentando os dez principais concorrentes que merecem atenção.

O que é a mídia social Web3?

As redes sociais descentralizadas aproveitam a tecnologia blockchain, permitindo que os usuários compartilhem, publiquem e disseminem livremente o conteúdo para um vasto público. O que as diferencia das plataformas tradicionais é sua capacidade de serem descentralizadas e, portanto, resistentes à censura e ao controle. Mas o que isso significa na prática?

Imagine as plataformas de mídia social tradicionais como hubs centralizados, mantendo dados de usuários, conteúdo e algoritmos em bancos de dados específicos. Esses sistemas centralizados não apenas introduzem vulnerabilidade, mas também concedem poder indevido a algumas entidades sobre o que é visto e compartilhado. Por outro lado, as redes sociais descentralizadas são construídas em um sistema de registro distribuído conhecido como blockchain. Mais especificamente, elas são um subconjunto de aplicativos descentralizados (dapps) criados com base em contratos inteligentes, que essencialmente definem a estrutura operacional ou a lógica de negócios dessas plataformas.

Em vez de depender de um único servidor ou banco de dados, a mídia social descentralizada opera em uma rede global ponto a ponto composta por milhares de computadores, conhecidos como "nós". Essa descentralização garante que, mesmo se alguns nós falharem, a rede geral não será afetada, oferecendo resiliência contra falhas e interrupções que as plataformas centralizadas não podem prometer.

O que torna a mídia social Web3 tão atraente?

Uma das principais vantagens das redes sociais descentralizadas é o maior controle e autonomia do usuário. Os usuários não são apenas participantes passivos - eles decidem ativamente qual conteúdo publicar ou remover com base em seus valores. Essa abordagem centrada no usuário garante que o conteúdo seja genuinamente de propriedade do usuário, evitando exclusões arbitrárias por terceiros. Essa autonomia permite que os indivíduos, por exemplo, compartilhem imagens perturbadoras de zonas de conflito sem medo de censura injustificada.

Além disso, a monetização nas plataformas Web3 adota uma nova abordagem. A ausência da receita de publicidade tradicional é substituída por tokens de criptomoedas nativos. Esses tokens possuem não apenas valor intrínseco, mas também servem como um meio para os usuários recompensarem seus criadores favoritos. 

Além disso, as plataformas descentralizadas geralmente praticam a tomada de decisões coletivas por meio de um modelo de governança descentralizado. Em vez de uma única entidade ditar os termos, os usuários moldam coletivamente o desenvolvimento da plataforma e decidem sobre os padrões de conteúdo aceitáveis.

As dez melhores plataformas de mídia social da Web3 

Agora que já entendemos a essência da mídia social Web3, vamos examinar as redes de mídia social Web3 mais populares que valem a pena ser vistas.

#1 - Lens Protocol

Fonte e direitos autorais: © Lens Protocol

Em 2022, a equipe por trás da Aave, conhecida por suas contribuições para o espaço do protocolo de liquidez DeFi, lançou o Lens Protocol. Esse gráfico social de código aberto e baseado em blockchain foi desenvolvido para oferecer aos criadores de conteúdo e criativos uma plataforma mais descentralizada, na qual eles pudessem ter maior controle sobre seus perfis, conteúdo e dados.

Utilizando a blockchain proof-of-stake da Polygon como sua base, o Lens Protocol introduziu ferramentas com o objetivo de facilitar as interações da comunidade. Por exemplo, o "espelhamento" é sua versão do mecanismo de retweet, com o objetivo de ampliar a visibilidade do conteúdo. 

Um recurso técnico notável do Lens é a possibilidade de os usuários cunharem seus identificadores exclusivos como NFTs, que podem ser transferidos para suas respectivas carteiras de criptomoedas. Esses NFTs do Lens são projetados para serem compatíveis com outros aplicativos descentralizados (dApps) e contratos inteligentes dentro do ecossistema LensVerse. Para os membros da comunidade comercial, esses NFTs podem ser listados em mercados secundários, como o Opensea.

#2 - Mastodon

Fonte e direitos autorais: © Mastodon

Criada em 2016, a Mastodon é uma plataforma de microblogging de código aberto, tendo acumulado mais de três milhões de usuários em todo o mundo. Diferentemente das plataformas convencionais, ela permite que seus usuários compartilhem uma ampla variedade de conteúdo, de textos a GIFs, imagens e vídeos. O que diferencia a Mastodon é o seu feed cronológico, que oferece aos usuários uma experiência de visualização de conteúdo transparente e sem algoritmos, além de permitir que eles selecionem o que preenche suas linhas do tempo.

O Mastodon é composto por servidores interconectados, conhecidos como "instâncias". Essa estrutura oferece aos usuários a vantagem exclusiva de selecionar um servidor (ou "instância") que reflita seus valores ou interesses individuais, levando à criação de comunidades on-line mais diversificadas.

Fazendo um paralelo com o Twitter, a interface do Mastodon permite que os usuários divulguem mensagens curtas, chamadas de "toots", e interajam por meio de respostas, favoritos e boosts — uma função semelhante aos retweets.

#3 - Minds

Fonte e direitos autorais: © Minds

A Minds se destaca como uma plataforma de mídia social descentralizada e de código aberto que enfatiza a privacidade do usuário, a liberdade de expressão e o incentivo à criação de conteúdo. Criada com base na blockchain Ethereum, a Minds utiliza sua moeda nativa, os Minds Tokens.
 
A Minds incorpora elementos familiares aos usuários de mídias sociais convencionais, como feeds de notícias, bate-papos em grupo e mensagens diretas. 
Embora a Minds se posicione como concorrente do Facebook, suas estratégias de monetização traçam paralelos com o modelo do Patreon. A participação ativa, como uploads de conteúdo ou trazer novos usuários, ganha recompensas na forma de Minds tokens. Esses tokens podem ser reinvestidos na plataforma para atividades promocionais ou canalizados para apoiar outros criadores de conteúdo assinando seus feeds.

#4 - Dtube

Fonte e direitos autorais: © DTube

O DTube é uma plataforma de vídeo voltada para a comunidade em que as interações dos usuários, como a votação em vídeos, recompensam diretamente os criadores, curadores e espectadores com criptomoedas. Embora espelhe o YouTube em suas funções, a base do DTube na tecnologia blockchain amplia a privacidade, a segurança e a liberdade de expressão. 

A plataforma é versátil, suportando uma variedade de formatos de vídeo e até mesmo transmissão ao vivo. Inicialmente, o DTube usava a blockchain STEEM e recompensava os usuários com tokens STEEM, mas depois migrou para sua própria blockchain Avalon com a DTube Coin (DTC). 

O DTube não tem um modelo de anúncios tradicional como o YouTube. Em vez disso, as recompensas vêm do mecanismo de blockchain, em que os espectadores podem votar a favor do conteúdo de que gostam, o que resulta em recompensas de criptomoedas para os criadores. Além disso, os usuários podem reinvestir seus ganhos para aumentar o alcance de seu conteúdo.

#5 - Chingari

Fonte e direitos autorais: © Chingari

Chingari é uma plataforma de compartilhamento de vídeos curtos, fundada na Índia em 2018. Sua popularidade aumentou em 2020 após a proibição do TikTok e de outros aplicativos chineses na Índia. 

Esse aplicativo móvel permite que os usuários produzam vídeos exclusivos e apliquem filtros de realidade aumentada. O Chingari se destaca por sua ênfase em conteúdo e idiomas regionais. Ele atende à diversidade linguística da Índia, oferecendo suporte a vários idiomas locais. Além disso, oferece aos criadores de conteúdo caminhos para gerar receita, principalmente por meio de colaborações e parcerias com marcas.

Recentemente, o Chingari mudou para Aptos como sua camada-1 principal, deixando de usar Solana. O aplicativo agora pode ser acessado em países como Índia, Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos, Indonésia e Turquia.

#6 - Audius

Fonte e direitos autorais: © Audius

O Audius é um serviço de streaming de música descentralizado criado com base na tecnologia blockchain. Ele permite que os artistas carreguem e marquem o tempo de seus arquivos de áudio. Embora sua abordagem de monetização ainda esteja em desenvolvimento, a plataforma oferece tokens "Audio", que podem ser negociados em determinadas bolsas de criptomoedas.

A Audius oferece aos artistas um espaço para fazer upload, compartilhar e potencialmente monetizar suas músicas. O uso de contratos inteligentes visa a garantir que os pagamentos de royalties sejam distribuídos aos artistas com base em parâmetros definidos.

A plataforma oferece recursos básicos para o engajamento do usuário, como streaming de música, favoritos e criação de listas de reprodução. Ela também oferece comunicação direta entre artista e ouvinte e mecanismos de feedback. Além disso, sua criptomoeda nativa, o "Audio" ($AUDIO), serve a vários propósitos, desde staking até a governança da plataforma.

#7 - Steemit

Fonte e direitos autorais: © Steemit

O Steemit oferece uma experiência de mídia social descentralizada ao combinar blogs com a tecnologia blockchain. O Steemit foi uma das primeiras tentativas de mesclar a tecnologia blockchain com a mídia social.

Utilizando a blockchain da Steem, o Steemit permite que seus usuários publiquem blogs, interajam com o conteúdo por meio de votos positivos e comentários e, simultaneamente, ganhem tokens Steem como recompensas em criptomoedas. 

Quanto mais votos positivos, mais recompensas o criador do conteúdo recebe. Os curadores, ou seja, aqueles que votam a favor e comentam o conteúdo de outros usuários, também podem ganhar recompensas.  Diferentemente das plataformas de mídia social tradicionais, em que a receita dos anúncios vai para a empresa, o Steemit distribui a maior parte de sua receita de anúncios de volta aos usuários na forma de sua criptomoeda nativa. Os usuários do Steemit também podem participar de várias comunidades com base em seus interesses, semelhante aos subreddits do Reddit.

#8 - Mirror

Fonte e direitos autorais: © Mirror

A Mirror é uma plataforma de publicação descentralizada criada na blockchain da Ethereum, projetada para que escritores e criadores publiquem, monetizem e administrem seus trabalhos de forma colaborativa.

A Mirror também permite que os autores transformem seus textos em NFTs, iniciem empreendimentos de crowdfunding ou estabeleçam uma organização autônoma descentralizada (DAO). A postagem na Mirror.xyz é semelhante a plataformas como Medium ou sites WordPress sem restrições. No entanto, a diferença está na capacidade de financiar seus projetos por meio de vendas de NFTs ou crowdfunding.

Os artigos do Mirror podem incorporar e interagir com contratos inteligentes, possibilitando funcionalidades exclusivas, como conteúdo dinâmico com base em dados em tempo real on-chain ou interações diretas com protocolos DeFi.

#9 - DiamondApp

Fonte e direitos autorais: © DiamondApp

DiamondApp é uma plataforma de rede social baseada na Web3. Ela foi construída sobre a blockchain DeSo, uma blockchain de Camada 1 feita sob medida para descentralizar as plataformas de mídia social.

O diferencial da plataforma está na introdução de "moedas de criador" para cada usuário. Essas moedas simbolizam a influência e a posição de um usuário na plataforma. Os usuários podem comprar, negociar ou reter essas moedas de qualquer perfil, promovendo um mecanismo de apoio aos criadores que eles apoiam.

O Diamond apresenta um fluxo social que exibe publicações de tendências e conteúdo de criadores seguidos.  Diferenciando-se das contrapartes típicas da Web 2.0, as "curtidas" no DiamondApp têm valor monetário tangível. A plataforma incorpora um mecanismo de gorjetas de "diamantes", permitindo que os usuários enviem criptomoedas para seus criadores favoritos. Além disso, os criadores podem transformar seu conteúdo em NFTs.

#10 - Bluesky 

Source and Copyright: © Bluesky

A Bluesky é uma plataforma de mídia social descentralizada criada por Jack Dorsey, ex-CEO do Twitter. Ela foi projetada para que os usuários publiquem breves atualizações de texto e fotos, interajam por meio de respostas e compartilhem publicações de outras pessoas. Embora esteja atualmente em sua fase beta, a plataforma espelha grande parte da funcionalidade e da aparência do Twitter.

O que diferencia a Bluesky é o uso de um "protocolo aberto", um desvio da abordagem tradicional em que as plataformas de mídia social operam como silos isolados. Em plataformas típicas como Twitter e Instagram, o conteúdo é exclusivo de sua plataforma nativa e não interage perfeitamente com outras redes.

Embora o Bluesky tenha a mesma aparência do Twitter, permitindo que os usuários publiquem mensagens de até 300 caracteres exibidas em um feed de notícias, seu sistema subjacente tem semelhanças com outras plataformas, como Mastodon e Discord.

A gênese do Bluesky remonta a 2019, dentro do Twitter, sob a supervisão de Dorsey, que acabou se ramificando como uma entidade autônoma no ano seguinte. Esse empreendimento foi iniciado pelo tweet de Dorsey destacando a intenção do Twitter de apoiar um padrão descentralizado de mídia social. Dorsey imaginou uma equipe compacta e independente dedicada a elaborar esse padrão descentralizado de mídia social, com aspirações de que o Twitter adotasse essa estrutura. No momento, o acesso ao Bluesky está limitado a usuários convidados enquanto ele passa por avaliações.

Desafios da mídia social Web3 

No entanto, é essencial observar que as plataformas de mídia social descentralizadas ainda estão em seus estágios iniciais em comparação com as plataformas centralizadas tradicionais. Até mesmo as redes sociais descentralizadas mais reconhecidas atualmente reúnem apenas uma fração dos usuários ativos de suas equivalentes centralizadas.

Por exemplo, plataformas como X (antigo Twitter) e Reddit têm, cada uma, cerca de meio bilhão de usuários ativos, enquanto outras, como Medium e Substack, contam com dezenas de milhões de usuários. Vale a pena observar que as redes sociais dependem inerentemente de efeitos de rede - quanto mais usuários, mais valiosa a rede se torna. Historicamente, as pessoas têm se inclinado para essas plataformas não necessariamente por causa de suas proezas tecnológicas ou bases ideológicas, mas sim por causa das conexões sociais existentes.

Perguntas frequentes

O que é mídia social Web3? 

A mídia social Web3 refere-se a plataformas sociais descentralizadas criadas com base na tecnologia blockchain, enfatizando a propriedade do usuário, o controle de dados e as interações peer-to-peer.

Por que a Web3 é importante para a mídia social? 

A Web3 oferece maior privacidade dos dados do usuário, menor dependência de entidades centralizadas e a possibilidade de os usuários monetizarem diretamente seu conteúdo e interações on-line.

Como a Web 3.0 afetará a mídia social? 

Espera-se que a Web 3.0 transforme a mídia social promovendo a descentralização, aumentando o controle do usuário sobre os dados e introduzindo novos modelos de monetização, possivelmente mudando a dinâmica de poder dos proprietários de plataformas para os usuários.

Quão útil você achou este artigo?
Obrigado pela sua avaliação!

Assine o Cryptonica.News
nas redes sociais

Os materiais disponíveis no site Cryptonica não constituem recomendações individuais de investimento. Os instrumentos financeiros ou as operações nele mencionados podem não estar alinhados com seu perfil ou objetivos de investimento. Não assumimos nenhuma responsabilidade por quaisquer fatos ausentes ou informações imprecisas nos textos. As criptomoedas são ativos financeiros de alto risco e volatilidade. Portanto, é fundamental que você faça sua própria pesquisa sobre instrumentos financeiros e tome decisões independentes. Antes de se envolver em qualquer ação relacionada a criptomoedas, você deve estudar, entender e cumprir as leis aplicáveis em sua região e país.

Jack Dorsey Ledger


Veja também

Aave (AAVE)
$103,15
-0,66%
Amp (AMP)
$0,00732657
-3,7%
Aptos (APT)
$9,31
2,96%
Audius (AUDIO)
$0,201384
2,3%
Dash (DASH)
$30,83
3,08%
EOS (EOS)
$0,848174
2,44%
Ethereum (ETH)
$3.923,76
0,57%
Flux (FLUX)
$0,963223
-0,09%
Gate (GT)
$8,12
2,13%
IQ (IQ)
IQ
IQ
$0,01000166
3,39%
JUST (JST)
$0,03140497
1,84%
NEM (XEM)
$0,03830047
2,95%
NEO (NEO)
$15,97
4,83%
Ondo (ONDO)
$1,25
4,58%
Polygon (MATIC)
$0,749093
3,66%
Quant (QNT)
$93,92
-0,17%
Solana (SOL)
$171,09
-0,03%
UMA (UMA)
$3,58
-0,57%

Notícias



Saiba como

O que é DePIN em cripto?
Como fazer staking do token nativo da DeDust.io $SCALE?